Se home office for proibido, um terço dos profissionais cogitaria mudar de emprego, diz pesquisa

Uma pesquisa da consultoria de recursos humanos Robert Half mostra que empresas que não ofereçam opção de trabalho remoto, ao menos parcial, podem perder a preferência de seus funcionários, em especial as mulheres.

Segundo a sondagem, antecipada com exclusividade ao G1, 44,1% das entrevistadas disseram que, se a possibilidade de trabalho remoto fosse retirada, procurariam por uma nova oportunidade no mercado que oferecesse a opção. Entre os homens, o percentual é um pouco menor, de 31,4%.

Mesmo que não cheguem ao extremo de largar o trabalho atual, a preferência pelo modelo híbrido é dominante entre os profissionais entrevistados. Segundo a pesquisa, inclusive, 63,8% declaram que gostariam de trabalhar mais dias da semana em casa do que no escritório.

São 16,7% que preferem o inverso: mais dias no escritório que em casa. De acordo com a Robert Half, a adesão enorme ao trabalho remoto é calcado na percepção dos trabalhadores de que optar pelo home office em alguns dias da semana deixou de ser um benefício concedido pela empresa e passou a ser um regime de trabalho. Foram 76,5% dos profissionais que passaram a considerar o home office um novo modo de trabalhar.

Pandemia instituiu o home office e 20% dos escritórios de SP estão vazios

Pelo lado das empresas, 58,1% não definiu como será o retorno ao trabalho presencial. Da parcela que já anunciou o novo procedimento, duas a cada três vão adotar o modelo híbrido, conciliando o remoto com idas ao escritório. O índice de retorno total ao escritório na pesquisa é de 21,4% dos participantes.

A pesquisa da Robert Half entrevistou 358 pessoas entre os dias 29 de junho e 19 de julho, considerando trabalhadores e desempregados que buscam recolocação.