Professor envenenado em Brasília tinha ligação com desvio na Educação

O professor Odailton Charles de Albuquerque Silva (foto em destaque), 50 anos, morto por envenenamento em 4 de fevereiro do ano passado, tem ligação com o uso irregular de recursos do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf) da Secretaria de Educação. As fraudes ocorreram entre 2018 e 2020.

Atos que teriam sido executados por Silva são o foco da Operação Quadro Negro, deflagrada pelo Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Decor) na manhã desta

A operação acontece dias depois que houve uma denúncia a Secretaria de Educação havia gastado R$ 5 milhões de uma verba que deveria ser exclusiva de escolas do DF em reforma de prédio. Na ocasião, a reportagem mostrava que o recurso foi usado de modo irregular na reforma de um prédio histórico de Brasília e que integra o patrimônio da Secretaria de Educação. Localizado na 607 Norte, o local passou por melhorias consideráveis para servir como sede da Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto (Crepp).

Policiais fizeram buscas na sede da Secretaria de Educação. A investigação é conduzida pela Delegacia de Repressão à Corrupção e pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por meio das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep) e das Promotorias de Justiça de Defesa dos Direitos Difusos (Proreg)