Jovem e tio mortos por furto em mercado pediram dinheiro para pagar carne.

“A gente estava correndo atrás do dinheiro. Um arranjou R$ 250, o outro, R$ 300. Mas eles não deram oportunidade de conseguir o restante e tiraram a chance de meu filho ser alguém na vida.” . O desabafo feito ao UOL é da vendedora de materiais de limpeza Elaine Costa Silva, 37 anos, mãe de Ian Barros Silva, 19, morto junto com o tio, Bruno Barros da Silva, 29, na última segunda-feira (26), horas depois terem furtado pacotes de carne no supermercado Atakadão Atakarejo do bairro de Amaralina, em Salvador.

Os corpos, que tinham marcas de tiros e sinais de tortura, foram encontrados no porta-malas de um carro na localidade da Polêmica, no bairro da Brotas. A Polícia Civil e o Ministério Público da Bahia apuram o duplo homicídio. O grupo atacadista, por sua vez, diz colaborar para o esclarecimento do caso (leia mais abaixo).

Segundo versão de familiares, após serem flagrados por seguranças do estabelecimento, Bruno ligou para uma amiga pedindo R$ 700 para pagar os produtos que teria furtado com Ian. Em um áudio enviado à mulher, Bruno diz que “rodou” e admite que pegou a mercadoria.

Fotos que circulam por aplicativos de mensagens e redes sociais mostram ele e Ian, rendidos, sentados no pátio do supermercado e ao lado de quatro pacotes de carne. As vítimas aparecem diante de um homem que seria um segurança do estabelecimento.

Para a família, depois da ligação de Bruno, tio e sobrinho acabaram sendo entregues a traficantes de uma comunidade no entorno do supermercado, que os teriam executado. “Bruno pediu R$ 700 pra poder pagar a carne dentro do supermercado, mas, como eu disse, infelizmente não deram oportunidade de pagar”, repetiu Elaine.

 

A vendedora afirma que soube por veículos de imprensa locais que os criminosos chegaram a exigir uma recompensa de R$ 10 mil para libertar as vítimas. “Disso eu passei a saber hoje. Eu só sei lhe informar sobre o pedido de Bruno de R$ 700”, relatou. Para conseguir sepultar Ian, na quarta-feira (28), precisou contar com a ajuda de amigos.

 

Eu tive que pegar dinheiro emprestado pra pagar o enterro de meu filho. O enterro de Bruno foi os vizinhos aqui que fizeram doação pra poder comprar o caixão.”

“Menino alegre e sonhador”.

Moradora de Fazenda Coutos 3, mesmo bairro onde o filho morava, Elaine narra que, quando completou 18 anos, Ian decidiu sair de casa e foi morar com o tio, Bruno. “Só quem ficou morando comigo foram minhas duas filhas, uma de 12 e outra de 17 anos.” Atualmente, Ian estava matriculado no 7º ano do ensino fundamental na Escola Municipal Fazenda Coutos.

 

Sem aulas desde o início da pandemia de covid-19, o rapaz fazia bicos como feirante, de acordo os parentes. Fã de futebol, jogava bola sempre que podia e assistia aos jogos do Esporte Clube Bahia, time do coração. Para Elaine, o filho era um “menino alegre e sonhador. “Como eu moro numa casa de madeirite, ele dizia: ele dizia: ‘Minha mãe, um dia ia eu vou tirar dessa casa e te dar uma casa digna”, diz a vendedora.

Emocionada, ela diz que agora só lhe restam as boas lembranças do garoto e a companhia das filhas mais novas.

Polícia diz ter indicativo de autoria; MP acompanha investigação.

Em nota enviada ao UOL, a assessoria da Polícia Civil informou que o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) analisa imagens do circuito de câmeras de segurança do supermercado. A unidade especializada já ouviu funcionários do estabelecimento e familiares das vítimas de homicídio, Ian e Bruno, além de outras testemunhas do caso.

“As investigações estão avançadas, já com indicativo de autoria. Equipes do departamento realizam diligências para a coleta de mais elementos que subsidiem a elucidação do crime e a prisão dos autores”. diz por meio do comunicado.

á o Ministério Público informou que, ao tomar conhecimento do fato, adotou as providências cabíveis nesta fase preliminar de apuração, autuando uma notícia de crime e encaminhando ao Núcleo do Júri da Capital para fins de acompanhamento das investigações.

Atakarejo: “Esperamos a punição dos culpados”.

Também em nota encaminhada ao UOL, o grupo Atakadão Atakarejo disse reiterar seu comprometimento com a observância dos direitos humanos com a defesa da vida humana digna e afirmou não compactuar com qualquer tipo de violência.

“O Atakarejo é uma empresa séria, sólida e cumpridora das normas legais, que possui rigorosa política de compliance e que não compactua com qualquer ação criminosa. Em relação aos fatos ocorridos na última segunda-feira (26), o grupo está colaborando integralmente com a investigação policial e já entregou todos os documentos e imagens do sistema de segurança aos órgãos competentes para o esclarecimento do caso”, informou.

Ainda conforme o posicionamento, a empresa diz repudiar veementemente qualquer tipo de violência e se solidariza com a família das vítimas neste momento tão difícil.

“O grupo aguarda o encerramento das investigações, que correm em segredo de justiça, para a elucidação do caso e espera a punição de todos os culpados”, acrescentou.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com